Imprimir

Informe Anual

Nome do Fundo: KINEA ÍNDICES DE PREÇOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FIICNPJ do Fundo: 24.960.430/0001-13
Data de Funcionamento: 16/09/2016Público Alvo: Investidor Qualificado
Código ISIN: BRKNIPCTF001Quantidade de cotas emitidas: 4.000.000,00
Fundo Exclusivo? NãoCotistas possuem vínculo familiar ou societário familiar? Não
Classificação autorregulação: Mandato: Títulos e Valores MobiliáriosSegmento de Atuação: Títulos e Val. Mob.Tipo de Gestão: AtivaPrazo de Duração: Indeterminado
Data do Prazo de Duração: Encerramento do exercício social: 30/06
Mercado de negociação das cotas: Bolsa Entidade administradora de mercado organizado: BM&FBOVESPA
Nome do Administrador: INTRAG DTVM LTDA.CNPJ do Administrador: 62.418.140/0001-31
Endereço: AV BRIGADEIRO FARIA LIMA, 3400, 10º andar- ITAIM BIBI- SÃO PAULO- SP- 04538-132Telefones: 55-(11)30726012
Site: www.intrag.com.brE-mail: produtosestruturados@itau-unibanco.com.br
Competência: 02/2017

1.

Prestadores de serviços

CNPJ

Endereço

Telefone

1.1 Gestor: KINEA INVESTIMENTOS LTDA08.604.187/0001-44Rua Minas de Prata, 30 - São Paulo, SP(11) 3073-8700
1.2 Custodiante: ITAÚ UNIBANCO S.A.60.701.190/0001-04Praça Alfredo Egydio de Souza Aranha, nº 100 - São Paulo, SP (11) 3072-6266
1.3 Auditor Independente: PRICEWATERHOUSECOOPERS AUDITORES INDEPENDENTES61.562.112/0001-20Av. Francisco Matarazzo, 1400 - São Paulo, SP(11) 3674-2000
1.4 Formador de Mercado: BANCO FATOR61.344.196/0001-06Rua Dr. Renato Paes de Barros, 1.017 – 11º e 12º andares - São Paulo, SP(11) 3049-9100
1.5 Distribuidor de cotas: ITAÚ UNIBANCO S.A.60.701.190/0001-04Av. Brigadeiro Faria Lima, nº 3.500 - São Paulo, SP(11) 3003-7377
1.6 Consultor Especializado: ../-
1.7 Empresa Especializada para administrar as locações: ../-
1.8 Outros prestadores de serviços¹:
Não possui informação apresentada.

2.

Investimentos FII

2.1 Descrição dos negócios realizados no período
Relação dos Ativos adquiridos no períodoObjetivosMontantes InvestidosOrigem dos recursos
CRI - CIBRASEC-CIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO - Série nº 273 da 1ª EmissãoAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de CRI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo38.016.517,481ª Emissão de Cotas
CRI - CIBRASEC-CIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO - Série nº 274 da 1ª EmissãoAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de CRI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo38.016.517,481ª Emissão de Cotas
CRI - HABITASEC SECURITIZADORA S.A. - Série nº 71 da 1ª EmissãoAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de CRI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo31.250.000,001ª Emissão de Cotas
CRI - HABITASEC SECURITIZADORA S.A. - Série nº 72 da 1ª EmissãoAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de CRI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo31.250.000,001ª Emissão de Cotas
CRI - ISEC SECURITIZADORA S.A. - Série nº 2 da 1ª EmissãoAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de CRI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo23.299.508,911ª Emissão de Cotas
CRI - APICE SECURITIZADORA IMOBILIARIA SA - Série nº 87 da 1ª EmissãoAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de CRI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo39.044.803,711ª Emissão de Cotas
CRI - APICE SECURITIZADORA IMOBILIARIA SA - Série nº 88 da 1ª EmissãoAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de CRI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo39.044.803,711ª Emissão de Cotas
LCI - CAIXA ECONOMICA FEDERALAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de LCI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo100.000.000,001ª Emissão de Cotas
LCI - BANCO VOTORANTIMAquisição de ativos imobiliários através da aquisição de LCI conforme previsto na Política de Investimento do Fundo5.000.000,001ª Emissão de Cotas

3.

Programa de investimentos para os exercícios seguintes, incluindo, se necessário, as informações descritas no item 1.1 com relação aos investimentos ainda não realizados:

O Gestor está em contínuo contato com os principais participantes do mercado imobiliário e de estruturação de títulos e valores mobiliários, em especial os de CRI, a fim de prospectar e avaliar oportunidades de investimento que atendam a Política de Investimento do Fundo. Assim, espera investir os recursos disponíveis, em linha com suas políticas, em CRI de natureza Corporativa e, sempre que possível, com garantias adequadas. Nesse sentido e com base na atual disponibilidade de caixa e recursos com liquidez do Fundo o Gestor está em negociação para a aquisição de alguns CRI, em diferentes estágios de estruturação e com características similares aos da carteira atual, que se bem sucedidas elevará o percentual de alocação do fundo nessa classe do ativo.

4.

Análise do administrador sobre:

4.1 Resultado do fundo no exercício findo
O Kinea Índice de Preços – FII (“Fundo”) iniciou suas atividades no final de setembro de 2016, após o encerramento do processo de distribuição pública de cotas da sua primeira emissão de cotas, no montante de R$ 400 milhões. Em relação à alocação do portfólio, ao final do mês de fevereiro de 2017, aproximadamente seis meses após o início do Fundo, a alocação em CRI representava aproximadamente 60,30% do PL do Fundo. Adicionalmente, 24,48% estavam investidos em LCI. Assim, o portfólio de títulos de renda fixa imobiliária representava 84,78% do patrimônio do Fundo. O processo de alocação dos recursos em CRI continua em curso. No que diz respeito aos indexadores presentes na carteira, ao final fevereiro, o Fundo possuía 59,87% dos ativos indexados ao IPCA, 24,30% à Taxa DI e, por fim, 15,83% à Taxa Selic. A alocação preponderante em títulos indexados à inflação permitiu ao Fundo gerar e distribuir resultados em linha com sua meta de rentabilidade. Em montantes financeiros, isso representou uma distribuição total de R$ 4,40 por cota no período entre 16 de setembro de 2016 e 28 de fevereiro de 2017. A negociação de cotas do Fundo no mercado secundário da BM&FBOVESPA foi iniciada no dia 26 de setembro, através do ticker KNIP11. Houve negociações em praticamente todos os pregões do período, com média diária equivalente a R$ 353 mil, e um volume negociado total de R$ 36 milhões. As cotas encerraram o período com um valor de mercado de R$ 109,33 (unitário), o que representa uma valorização de 9,33% em relação à cota de emissão do fundo (R$ 100,00). A cota patrimonial encerrou o período com o valor de R$ 101,74 (unitário), o que representa um incremento de 1,74% em relação à cota patrimonial de emissão. Na visão do Gestor, os resultados descritos acima estão aderentes ao período de alocação inicial e aos objetivos de rentabilidade do Fundo. A rentabilidade obtida no passado não representa promessa ou garantia de rentabilidade futura e não há qualquer tipo de garantia, implícita ou explícita, prestada administrador, pelo gestor do Fundo ou por qualquer empresa do Grupo Itaú Unibanco.
4.2 Conjuntura econômica do segmento do mercado imobiliário de atuação relativo ao período findo
O Fundo possui atualmente exposição a sete Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) de responsabilidade de devedores corporativos, que atuam nos setores de (i) educação, (ii) shopping centers, (iii) produção de eletrodomésticos e (iv) produção e distribuição de gás para a indústria. Como se pode observar, as empresas responsáveis pelos pagamentos dos títulos atuam em diversos setores da economia, não necessariamente no mercado imobiliário. Não obstante, salientamos que as próximas aquisições de CRI devem proporcionar uma diversificação ainda maior dos setores econômicos presentes na carteira. Desta forma, notamos que a conjuntura econômica do país como um todo é relevante para a carteira do fundo, e não somente a do setor imobiliário. Assim, conduziremos uma análise econômica mais ampla nos parágrafos seguintes. Desde meados de 2016, o ponto focal das discussões sobre a conjuntura econômica no Brasil foi o arrefecimento da inflação diante da pior recessão da nossa história, bem como a preocupação política constante, em meio aos esforços para o saneamento das contas públicas e a trajetória da dívida pública. Sobre este ponto, o período foi pautado pelas reformas de cunho fiscal promovidas pelo governo, com destaque para a PEC do “teto dos gastos” e a da Reforma da Previdência, que segue sendo discutida e gerando muita repercussão nos mercados. Em relação à atividade econômica, alguns sinais de recuperação começam a surgir na economia brasileira. No entanto, a atividade ainda continua ameaçada principalmente pelos juros reais que ainda continuam elevados, apesar a redução observada nos últimos seis meses e após o início de cortes Taxa SELIC. Nesse sentido, os futuros cortes e o novo patamar da taxa básica de juros passam a ser decisivos para os próximos movimentos não só do mercado financeiro, mas também da economia real. No período observarmos atentos esses desdobramentos com o intuito de aproveitar oportunidades de alocação de recursos e também visando antever e mitigar riscos para a carteira do Fundo. No ambiente externo, os principais temas no período foram a (i) inflação e os juros nos países desenvolvidos, assim como os (ii) movimentos populistas de força crescente. Especificamente, podemos citar o Brexit e a eleição de Donald Trump como os principais fatores que movimentavam os mercados no período.
4.3 Perspectiva para o período seguinte com base na composição da carteira
Como mencionado acima, o Fundo possui atualmente exposição a sete CRI corporativos, de empresas que atuam em diversos setores da economia. Em virtude disso, e tendo em vista a perspectiva de aumento da diversificação dos setores presentes na carteira, entendemos ser relevante trazer nossa visão sobre as perspectivas da economia como um todo (macro), conforme abaixo. No ambiente interno, esperamos: (i) um ciclo de corte de juros que leve a Taxa SELIC para um dígito; (ii) a retomada gradativa da atividade econômica; bem como (iii) a aprovação Reforma da Previdência em condições aderentes à proposta do Governo Federal. Adicionalmente, entendemos que uma recuperação mais robusta da economia brasileira passaria por um cenário de alta nos preços mundiais das commodities, e consequentemente pela melhora da nossa balança comercial. Considerando o contexto acima, em especial no que tange a aprovação da Reforma da Previdência de forma satisfatória, com o endereçamento dos déficits fiscais do governo, e a exposição da carteira do Fundo a títulos indexados à inflação, conforme mencionado no item 4.1. acima, esperamos que o portfólio entregue resultados aderentes aos seus objetivos de rentabilidade. Sob a ótica dos riscos incorridos pelo Fundo, (i) a redução esperada da taxa básica de juros, em conjunto com (ii) o início de uma recuperação econômica, são elementos que devem propiciar um alívio para as empresas, num primeiro momento em virtude das menores despesas financeiras, e num segundo momento pela melhoria dos resultados operacionais e das vendas, fruto de uma maior demanda. Os fatores descritos, conjuntamente com a melhora esperada no mercado de crédito e um maior apetite dos financiadores, devem propiciar uma melhora na qualidade creditícia das empresas que o Fundo possui exposição.

5.

Riscos incorridos pelos cotistas inerentes aos investimentos do FII:

Ver anexo no final do documento. Anexos
6. Valor Contábil dos ativos imobiliários do FIIValor Justo, nos termos da ICVM 516 (SIM ou NÃO)Percentual de Valorização/Desvalorização apurado no período
Relação de ativos imobiliáriosValor (R$)
CRI - CIBRASEC-CIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO - Série nº 273 da 1ª Emissão39.095.561,39SIM0,00%
CRI - CIBRASEC-CIA BRASILEIRA DE SECURITIZAÇÃO - Série nº 274 da 1ª Emissão39.095.561,39SIM0,00%
CRI - HABITASEC SECURITIZADORA S.A. - Série nº 71 da 1ª Emissão32.952.929,66SIM0,00%
CRI - HABITASEC SECURITIZADORA S.A. - Série nº 72 da 1ª Emissão32.952.929,66SIM0,00%
CRI - ISEC SECURITIZADORA S.A. - Série nº 2 da 1ª Emissão23.963.358,86SIM0,00%
CRI - APICE SECURITIZADORA IMOBILIARIA SA - Série nº 87 da 1ª Emissão38.667.861,33SIM0,00%
CRI - APICE SECURITIZADORA IMOBILIARIA SA - Série nº 88 da 1ª Emissão38.667.861,33SIM0,00%
LCI - CAIXA ECONOMICA FEDERAL94.456.102,83SIM0,00%
LCI - BANCO VOTORANTIM5.157.250,02SIM0,00%
6.1 Critérios utilizados na referida avaliação
Os Ativos e os Ativos de Liquidez serão precificados de acordo com procedimentos para registro e avaliação de títulos e valores mobiliários, conforme estabelecido na regulamentação em vigor (tais como o critério de marcação a mercado) e de acordo com o manual de precificação adotado pelo Custodiante. O manual está disponível para consulta no website www.itaucustodia.com.br/Manual_Precificacao.pdf . A precificação dos Ativos e dos Ativos de Liquidez será feita pelo valor de mercado com base no manual de precificação do CUSTODIANTE. No entanto, caso o ADMINISTRADOR e/ou o GESTOR não concordem com a precificação baseada no manual de precificação do CUSTODIANTE, o ADMINISTRADOR e o GESTOR, em conjunto com o CUSTODIANTE, deverão decidir de comum acordo o critério a ser seguido.
7.Relação de processos judiciais, não sigilosos e relevantes
Não possui informação apresentada.
8.Relação de processos judiciais, repetitivos ou conexos, baseados em causas jurídicas semelhantes, não sigilosos e relevantes
Não possui informação apresentada.
9.Análise dos impactos em caso de perda e valores envolvidos relacionados aos processos judiciais sigilosos relevantes:
Não possui informação apresentada.

10.

Assembleia Geral

10.1 Endereços (físico ou eletrônico) nos quais os documentos relativos à assembleia geral estarão à disposição dos cotistas para análise:
Av. Brig. Faria Lima, 3400 - 10º Andar
http://www.intrag.com.br/Fundos.aspx/Prospectos_Regulamentos
10.2 Indicação dos meios de comunicação disponibilizados aos cotistas para (i) a inclusão de matérias na ordem do dia de assembleias gerais e o envio de documentos pertinentes às deliberações propostas; (ii) solicitação de lista de endereços físicos e eletrônicos dos demais cotistas para envio de pedido público de procuração.
CONFORME ESTABELECIDO NO REGULAMENTO: CORRESPONDÊNCIA ELETRÔNICA. Considera-se o correio eletrônico forma de correspondência válida entre o ADMINISTRADOR e o Cotista, inclusive para convocação de assembleias gerais de Cotistas e procedimento de consulta formal.
10.3 Descrição das regras e procedimentos aplicáveis à participação dos cotistas em assembleias gerais, incluindo (i) formalidades exigidas para a comprovação da qualidade de cotista e representação de cotistas em assembleia; (ii) procedimentos para a realização de consultas formais, se admitidas em regulamento; (iii) regras e procedimentos para a participação à distância e envio de comunicação escrita ou eletrônica de voto.
CONFORME ESTABELECIDO NO REGULAMENTO: A assembleia geral de Cotistas instalar-se-á com qualquer número de Cotistas e as deliberações serão tomadas por maioria simples das Cotas presentes à assembleia geral de Cotistas ou, caso aplicável, pela maioria simples das respostas à consulta cabendo para cada Cota um voto, exceto com relação às matérias previstas no Regulamento, que dependem da aprovação de Cotistas que representem, no mínimo, a maioria de votos dos Cotistas presentes e que representem: (i) 25%, no mínimo, das Cotas emitidas, se o FUNDO tiver mais de 100 (cem) Cotistas, ou (ii) metade, no mínimo, das Cotas emitidas, se o FUNDO tiver até 100 (cem) Cotistas. A Assembleia Geral de Cotistas poderá ser instalada com a presença de um único Cotista, de modo que apenas considerar-se-á não instalada a Assembleia Geral de Cotistas na hipótese de não comparecimento de nenhum Cotista à respectiva assembleia. Os percentuais acima deverão ser determinados com base no número de Cotistas do FUNDO indicados no registro de Cotistas na data de convocação da assembleia, cabendo ao ADMINISTRADOR informar no edital de convocação qual será o percentual aplicável nas assembleias que tratem das matérias sujeitas à deliberação por quorum qualificado. Somente podem votar na assembleia geral de Cotistas os Cotistas inscritos no registro de Cotistas na data da convocação da assembleia geral de Cotistas, seus representantes legais ou procuradores constituídos há menos de 1 (um) ano. Os Cotistas poderão enviar seu voto por correspondência e/ou por correio eletrônico, desde que a convocação indique essa possibilidade e estabeleça os critérios para essa forma de voto, que não exclui a realização da reunião de Cotistas, no local e horário estabelecidos, cujas deliberações serão tomadas pelos votos dos presentes e dos recebidos por correspondência, observados os quoruns previstos no Regulamento. A critério do ADMINISTRADOR, que definirá os procedimentos a serem seguidos, as deliberações da assembleia geral de Cotistas poderão ser tomadas por meio de consulta formal, sem reunião de Cotistas, em que (i) os Cotistas manifestarão seus votos por correspondência, correio eletrônico ou telegrama; e (ii) as decisões serão tomadas com base na maioria dos votos recebidos, observados os quoruns previstos no Regulamento e desde que sejam observadas as formalidades previstas neste Regulamento e na regulamentação aplicável.
10.3 Práticas para a realização de assembleia por meio eletrônico.
Não se aplica.

11.

Remuneração do Administrador

11.1Política de remuneração definida em regulamento:
CONFORME ESTABELECIDO NO REGULAMENTO: Pela administração do FUNDO, nela compreendida as atividades do ADMINISTRADOR, do GESTOR, do ESCRITURADOR e do CUSTODIANTE, o FUNDO pagará ao ADMINISTRADOR uma taxa de administração (“Taxa de Administração”) equivalente a 1,00% (um por cento) ao ano sobre o patrimônio líquido do FUNDO. Considera-se patrimônio líquido do FUNDO a soma algébrica do montante disponível com os Ativos e os Ativos de Liquidez integrantes da carteira do FUNDO, mais os valores a receber dos Ativos e dos Ativos de Liquidez, menos as exigibilidades do FUNDO. A Taxa de Administração é calculada, apropriada e paga em Dias Úteis, mediante a divisão da taxa anual por 252 (duzentos e cinquenta e dois) Dias Úteis. A Taxa de Administração será provisionada diariamente e paga mensalmente ao ADMINISTRADOR, por período vencido, até o 5º (quinto) Dia Útil do mês subsequente ao dos serviços prestados.
Valor pago no ano de referência (R$):% sobre o patrimônio contábil:% sobre o patrimônio a valor de mercado:
1.791.772,220,44%0,41%

12.

Governança

12.1Representante(s) de cotistas
Representante 1
Nome: [O Fundo não possui no momento representante de cotistas]Idade:
Profissão: CPF:
E-mail: Formação acadêmica:
Forma de remuneração (conforme definido em Assembleia): Valor pago no ano de referência (R$): NaN
% sobre o patrimônio contábil: NaN% sobre o patrimônio a valor de mercado: NaN
Quantidade de cotas detidas do FII: NaNQuantidade de cotas do FII compradas no período: NaN
Quantidade de cotas do FII vendidas no período: NaNData da eleição em Assembleia Geral: //
Término do Mandato: //
Principais experiências profissionais durante os últimos 5 anos
Não possui informação apresentada.
Não possui informação apresentada.
Descrição de qualquer dos seguintes eventos que tenham ocorrido durante os últimos 5 anos
EventoDescrição
Qualquer condenação criminal
Qualquer condenação em processo administrativo da CVM e as penas aplicadas
12.2Diretor Responsável pelo FII
Nome: STEPHAN KRAJCER Idade: 40 anos
Profissão: ENGENHEIROCPF: 075.023.007-08
E-mail: stephan.krajcer@itau-unibanco.com.brFormação acadêmica: ENGENHARIA ELÉTRICA – PUC – RJ
Quantidade de cotas detidas do FII: 0,00Quantidade de cotas do FII compradas no período: 0,00
Quantidade de cotas do FII vendidas no período: 0,00Data de início na função: 27/07/2015
Principais experiências profissionais durante os últimos 5 anos
Nome da EmpresaPeríodoCargo e funções inerentes ao cargoAtividade principal da empresa na qual tais experiências ocorreram
ITAÚ UNIBANCO S.ADESDE 2002SUPERINTENDENTECUSTÓDIA LOCAL,CONTROLADORIA, ADMINISTRAÇÃO FIDUCIÁRIA, ESCRITURAÇÃO DE ATIVOS, AGENTES DE GARANTIAS
Descrição de qualquer dos seguintes eventos que tenham ocorrido durante os últimos 5 anos
EventoDescrição
Qualquer condenação criminal
Qualquer condenação em processo administrativo da CVM e as penas aplicadas
13.Distribuição de cotistas, segundo o percentual de cotas adquirido.
Faixas de PulverizaçãoNº de cotistasNº de cotas detidas% de cotas detido em relação ao total emitido% detido por PF% detido por PJ
Até 5% das cotas 743,004.000.000,00100,00%99,00%1,00%
Acima de 5% até 10% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 10% até 15% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 15% até 20% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 20% até 30% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 30% até 40% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 40% até 50% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 50% 0,000,000,00%0,00%0,00%

14.

Transações a que se refere o art. 34 e inciso IX do art.35, da Instrução CVM nº 472, de 2008

Não possui informação apresentada.

15.

Política de divulgação de informações

15.1 Descrever a política de divulgação de ato ou fato relevante adotada pelo administrador, ou disponibilizar o link correspondente da página do administrador na rede mundial de computadores, indicando os procedimentos relativos à manutenção de sigilo acerca de informações relevantes não divulgadas, locais onde estarão disponíveis tais informações, entre outros aspectos.
http://www.intrag.com.br/Fundos.aspx/Governanca
15.2 Descrever a política de negociação de cotas do fundo, se houver, ou disponibilizar o link correspondente da página do administrador na rede mundial de computadores.
Não possui informação apresentada.
15.3 Descrever a política de exercício do direito de voto em participações societárias do fundo, ou disponibilizar o link correspondente da página do administrador na rede mundial de computadores.
http://www.kinea.com.br/pdf/montaPdf.htm?politicaVotoKinea_FundosImobiliarios
15.4 Relacionar os funcionários responsáveis pela implantação, manutenção, avaliação e fiscalização da política de divulgação de informações, se for o caso.
Fabio Sonoda - Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 – 10º andar - São Paulo/SP CEP. 04538-132 - fabio.sonoda@itau.sonoda.com.br - Tel. (11) 3072-6089
16.Regras e prazos para chamada de capital do fundo:
Não possui informação apresentada.

Anexos
5.Riscos

Nota

1.A relação de prestadores de serviços de que trata o item 1.8 deve ser indicada quando o referido prestador de serviços representar mais de 5% das despesas do FII