Imprimir

Informe Anual

Nome do Fundo: CSHG GR LOUVEIRA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FIICNPJ do Fundo: 17.143.998/0001-86
Data de Funcionamento: 22/01/2013Público Alvo: Investidores em Geral
Código ISIN: BRGRLVCTF002Quantidade de cotas emitidas: 107.353,00
Fundo Exclusivo? NãoCotistas possuem vínculo familiar ou societário familiar? Não
Classificação autorregulação: Mandato: Desenvolvimento para RendaSegmento de Atuação: LogísticaTipo de Gestão: PassivaPrazo de Duração: Indeterminado
Data do Prazo de Duração: Encerramento do exercício social: 31/12
Mercado de negociação das cotas: Bolsa Entidade administradora de mercado organizado: BM&FBOVESPA
Nome do Administrador: CREDIT SUISSE HEDGING-GRIFFO CORRETORA DE VALORES S.A.CNPJ do Administrador: 61.809.182/0001-30
Endereço: RUA LEOPOLDO COUTO MAGALHAES JR, 700, 11º andar- ITAIM BIBI- SÃO PAULO- SP- 04542-000Telefones: (11) 3701-8600
Site: www.cshg.com.brE-mail: list.imobiliario@cshg.com.br
Competência: 12/2016

1.

Prestadores de serviços

CNPJ

Endereço

Telefone

1.1 Gestor: --../---
1.2 Custodiante: ITAÚ UNIBANCO S.A.60.701.190/0001-04PC ALFREDO EGYDIO DE SOUZA ARANHA 100 - TORRE OLAVO SETUBAL(11) 3701-8753
1.3 Auditor Independente: PRICEWATERHOUSECOOPERS AUDITORES INDEPENDENTES61.562.112/0002-01AV. FRANSCISCO MATARAZZO, 1400 - TORRE TORINO(11) 3674-2000
1.4 Formador de Mercado: ../-
1.5 Distribuidor de cotas: ../-
1.6 Consultor Especializado: GRE REALTY GESTÃO IMOBILIÁRIA LTDA15..65.0.5/80/0-00AVENIDA MAJOR SYLVIO DE MAGALHÃES PADILHA, nº 5.200, EDIFÍCIO MONTREAL, BLOCO E, CONJUNTO 101(11) 3759-7500
1.7 Empresa Especializada para administrar as locações: ../-
1.8 Outros prestadores de serviços¹:
Não possui informação apresentada.

2.

Investimentos FII

2.1 Descrição dos negócios realizados no período
Não possui informação apresentada.

3.

Programa de investimentos para os exercícios seguintes, incluindo, se necessário, as informações descritas no item 1.1 com relação aos investimentos ainda não realizados:

O Fundo não alterou sua política de investimentos no exercício de 2016. Em conformidade com o Regulamento do Fundo, a política de investimentos seguirá inalterada para o exercício seguinte, e o Fundo manterá a busca por novas possibilidades de ampliação de seu patrimônio.

4.

Análise do administrador sobre:

4.1 Resultado do fundo no exercício findo
O fundo recebe, mensalmente, o resultado gerado pelo empreendimento que compõe o seu patrimônio imobiliário e a rentabilidade auferida pelos investimentos em ativos financeiros. Durante o exercício de 2016 o Fundo auferiu rendimentos que somaram R$ 9.747.652,00, o equivalente a R$ 90,80 por cota. De acordo com a Lei 11.196 o Fundo enquadra-se na relação dos Fundos com isenção de IR. O cotista (pessoa física) que detém participação inferior a 10% tem direito a isenção do Imposto de Renda sobre os rendimentos distribuídos pelo Fundo mensalmente.
4.2 Conjuntura econômica do segmento do mercado imobiliário de atuação relativo ao período findo
O ano de 2016 foi bastante difícil, marcado pela economia ainda muito fraca, segundo ano consecutivo de contração do PIB e, não bastasse os desafios macroeconômicos, ainda foi necessário conviver com o domínio dos eventos políticos no cenário econômico. No mercado imobiliário de galpões logísticos o cenário não foi diferente, foi possível perceber um desequilíbrio entre a oferta e a demanda. Este cenário, causado principalmente pelo expressivo volume de novos galpões ofertados ao longo dos últimos cinco anos. Já do lado da demanda, a economia ainda limitou bastante a demanda dos locatários. Neste cenário, diversas renegociações de contrato com redução de preço ocorreram, o preço pedido dos espaços vagos diminuiu e houve flexibilização nas diversas condições comerciais. Segundo dados das principais consultorias imobiliárias, a vacância atingiu patamar superior a 20% ao final de 2016. Não obstante, o cenário bastante desafiador em 2016, o IFIX, principal indicador de retorno dos Fundos de Investimento Imobiliário, apresentou um retorno total de 32,3% no período, apesar de uma aparente contradição, este movimento reflete a expectativa de uma politica de redução de juros, as diversas medidas fiscais e reformas do estado brasileiro e por consequência uma potencial melhora na economia brasileira e impactos positivos no mercado imobiliário como um todo.
4.3 Perspectiva para o período seguinte com base na composição da carteira
Em conformidade com o Regulamento do Fundo, a política de investimentos seguirá inalterada para o exercício seguinte, e o Fundo poderá buscar novas possibilidades de ampliação de seu patrimônio. No mercado de locações, é esperado que exista um aumento gradativo na demanda, assim, podendo ocorrer uma melhora na absorção líquida (superior a 2016). No entanto, como ainda existe uma oferta de imóveis novos, e a economia real ainda com muitos desafios, a taxa de vacância ainda poderá subir num primeiro momento. Mais especificamente em relação a carteira do Fundo, a vacância estava 7,0% da ABL em dezembro/2016, sendo que a empresa Engebanc Real Estate, contratada para coordenar a comercialização dos módulos disponíveis para locação (4.200 m²), continuará a busca ativa por ocupantes, contatando empresas e realizando visitas. Neste sentido, o objetivo central da equipe de gestão será a gestão do nivel de vacância no menor patamar possível, atuando fortemente na manutenção dos locatários atuais, prospecção ativa e diligente de novos locatários (baseado num processo de segmentação e definição de ‘targets’de locatários mais propensos a alugar nossas unidades), além da constante busca de otimização de custos dos imóveis e do fundo.  

5.

Riscos incorridos pelos cotistas inerentes aos investimentos do FII:

Ver anexo no final do documento. Anexos
6. Valor Contábil dos ativos imobiliários do FIIValor Justo, nos termos da ICVM 516 (SIM ou NÃO)Percentual de Valorização/Desvalorização apurado no período
Relação de ativos imobiliáriosValor (R$)
GR Louveira116.216.000,00SIM1,11%
6.1 Critérios utilizados na referida avaliação
O valor da propriedade para investimento está demonstrado pelo seu respectivo valor justo, o qual foi obtido através de laudos de avaliação elaborado por entidade profissional especializada com qualificação reconhecida e formalmente aprovada pela Administradora do Fundo. A variação no valor justo da propriedade para investimento é reconhecida na demonstração do resultado do exercício em que a referida valorização ou desvalorização tenha ocorrido.
7.Relação de processos judiciais, não sigilosos e relevantes
Nº do ProcessoJuízoInstânciaData da InstauraçãoValor da causa (R$)Partes no processoChance de perda (provável, possível ou remota)
1000169-76.2014.8.26.0681Vara única - Foro Distrital de Louveira 1ª Instância12/05/2014502.000,00Autora: Faspar S/A Empreendimentos e Participações Réu: BR Properties (sucessora de BRPR XXXVII Empreendimentos e Participações Ltda.) Confrontantes: Condomínio GR I Louveira (em substituição à GRP16 Empreendimentos Ltda. e CSHG GR Louveira Fundo de Investimento Imobiliário FII) e outros. Fazendas. remota
Principais fatos
Trata-se de ação por meio da qual a Autora persegue usucapir uma área total de 25.100m², localizada em Louveira - SP, no Sítio Ipiranga, correspondente ao remanescente da gleba 8, objeto da M. 5.132, do RI de Jundiaí, que alega ter posse mansa, pacífica, contínua e interrupta há mais de 25 anos. A autora apresentou levantamento da área usucapienda identificando a GRP16 Empreendimentos Ltda. e CSHG GR Louveira Fundo de Investimento Imobiliário FII como titulares de domínio da área lindeira (M. 2.317) àquela usucapienda, sendo apenas confrontantes. Planta e memorial descritivo foram examinados por profissional habilitado, que verificou a sobreposição da área usucapienda sobre o imóvel da GRP 16 e CSHG GR, numa área de 60,60m², além de identificar um corredor de 114,73m² entre as propriedades, sem pertencer a nenhuma das partes. Razão pela qual, GRP 16 e CSHG contestaram requerendo a improcedência da ação. Resta esclarecer que o imóvel da M. 2.317 foi objeto de retificação de área, sendo que a Autora expressamente anuiu à pretensão retificatória. Posteriormente,em razão da construção do condomínio GR I Louveira no imóvel confrontante, foi requerida a substituição do polo passivo da ação para inclusao do condomínio e exclusão da GRP 16 e CSHG GR. Ainda, a autora providenciou novo trabalho técnico, contudo, estão ilegíveis os dados da nova planta, o que tornou prejudicada a análise, requerendo a apresentação de nova via do documento. Por fim, registrou-se a concordância na realização de audiência de conciliação, ratificando o pedido da Autora para que seja realizada perícia. Os autos aguardam apreciação do pedido de realização de perícia, designação de audiencia de conciliação e apreciação do pedido de substituição processual.
Análise do impacto em caso de perda do processo
Se a nova versão do trabalho técnico apresentado pela Autora tiver realmente corrigido a interferência apontada (o que ainda não podemos confirmar, tendo em vista a planta juntada estar ilegível) a procedência da presente usucapião não ocasionará impacto, uma vez que somos apenas confrontantes da área usucapienda.
8.Relação de processos judiciais, repetitivos ou conexos, baseados em causas jurídicas semelhantes, não sigilosos e relevantes
Não possui informação apresentada.
9.Análise dos impactos em caso de perda e valores envolvidos relacionados aos processos judiciais sigilosos relevantes:
Não possui informação apresentada.

10.

Assembleia Geral

10.1 Endereços (físico ou eletrônico) nos quais os documentos relativos à assembleia geral estarão à disposição dos cotistas para análise:
RUA LEOPOLDO COUTO MAGALHÃES JUNIOR, 700 - ITAIM BIBI - SÃO PAULO - SP - 11º ANDAR
https://www.cshg.com.br/site/publico/imob/imob.seam
10.2 Indicação dos meios de comunicação disponibilizados aos cotistas para (i) a inclusão de matérias na ordem do dia de assembleias gerais e o envio de documentos pertinentes às deliberações propostas; (ii) solicitação de lista de endereços físicos e eletrônicos dos demais cotistas para envio de pedido público de procuração.
Endereço Físico: RUA LEOPOLDO COUTO MAGALHÃES JUNIOR, 700 - ITAIM BIBI - SÃO PAULO - SP - 11º ANDAR Endereço Eletrônico: list.imobiliario@cshg.com.br
10.3 Descrição das regras e procedimentos aplicáveis à participação dos cotistas em assembleias gerais, incluindo (i) formalidades exigidas para a comprovação da qualidade de cotista e representação de cotistas em assembleia; (ii) procedimentos para a realização de consultas formais, se admitidas em regulamento; (iii) regras e procedimentos para a participação à distância e envio de comunicação escrita ou eletrônica de voto.
Poderão participar da Assembleia os cotistas inscritos no registro de cotistas do Fundo na data da convocação da respectiva Assembleia, seus representantes legais ou procuradores legalmente constituídos há menos de 1 (um) ano. Sendo assim, é necessário apresentar documento de identificação válido, no caso de cotista pessoa física, ou em caso de pessoa jurídica ou fundo de investimento, documento de identificação válido do(s) representante(s) acompanhado de cópia autenticada do estatuto/contrato social ou cópia simples do regulamento e procuração específica para comprovar poderes. Em caso de cotista representado por procurador, a procuração deve trazer poderes específicos para prática do voto e estar com firma reconhecida. No caso de consultas formais, deverão ser observados os prazos e condições específicas a cada consulta conforme detalhado em seu edital, observado sempre o prazo mínimo previsto em regulamento e na regulamentação. O procedimento para verificação da qualidade de cotista e sua representação acima descrita também é aplicável neste caso. Não há possibilidade de voto à distância
10.3 Práticas para a realização de assembleia por meio eletrônico.
A administradora não tem como prática, neste momento, a realização de assembleias por meio eletrônico.

11.

Remuneração do Administrador

11.1Política de remuneração definida em regulamento:
Pela prestação dos serviços de administração, o Fundo pagará à Administradora a quantia equivalente a 1,0% (um por cento) ao ano sobre o valor de mercado das cotas do Fundo, calculado com base na média diária da cotação de fechamento das cotas de emissão do Fundo no mês anterior ao do pagamento da remuneração. Tais honorários serão calculados diariamente e pagos mensalmente, até o 5º (quinto) dia útil de cada mês subsequente ao da prestação dos serviços, vencendo-se a primeira mensalidade no 5º (quinto) dia útil do mês seguinte ao da concessão da autorização da CVM para o funcionamento do Fundo.
Valor pago no ano de referência (R$):% sobre o patrimônio contábil:% sobre o patrimônio a valor de mercado:
988.403,170,83%1,04%

12.

Governança

12.1Representante(s) de cotistas
Não possui informação apresentada.
12.2Diretor Responsável pelo FII
Nome: Luiz Guilherme da Costa Manso Moreira de Mendonça Idade: 45 anos
Profissão: administrador de empresasCPF: 533.134.611-15
E-mail: luizguilherme.mendonca@credit-suisse.comFormação acadêmica: Bacharel em Administração de Empresas
Quantidade de cotas detidas do FII: 0,00Quantidade de cotas do FII compradas no período: 0,00
Quantidade de cotas do FII vendidas no período: 0,00Data de início na função: 12/12/2016
Principais experiências profissionais durante os últimos 5 anos
Nome da EmpresaPeríodoCargo e funções inerentes ao cargoAtividade principal da empresa na qual tais experiências ocorreram
Banco de Investimentos Credit Suisse (Brasil) S.A.Março/2009 até a presente data (obs. período que assumiu o cargo atual. Funcionário da instituição desde 1992.)Chefe de Finanças das empresas do grupo Credit Suisse no Brasil, responsável pelos departamentos de Contabilidade, Impostos, Risco, Resultado Gerencial, Orçamento e Planejamento e Controladoria de FundosInstituição Financeira
Descrição de qualquer dos seguintes eventos que tenham ocorrido durante os últimos 5 anos
EventoDescrição
Qualquer condenação criminal
Qualquer condenação em processo administrativo da CVM e as penas aplicadas
13.Distribuição de cotistas, segundo o percentual de cotas adquirido.
Faixas de PulverizaçãoNº de cotistasNº de cotas detidas% de cotas detido em relação ao total emitido% detido por PF% detido por PJ
Até 5% das cotas 345,0095.353,0088,82%96,67%3,33%
Acima de 5% até 10% 2,0012.000,0011,18%100,00%0,00%
Acima de 10% até 15% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 15% até 20% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 20% até 30% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 30% até 40% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 40% até 50% 0,000,000,00%0,00%0,00%
Acima de 50% 0,000,000,00%0,00%0,00%

14.

Transações a que se refere o art. 34 e inciso IX do art.35, da Instrução CVM nº 472, de 2008

Não possui informação apresentada.

15.

Política de divulgação de informações

15.1 Descrever a política de divulgação de ato ou fato relevante adotada pelo administrador, ou disponibilizar o link correspondente da página do administrador na rede mundial de computadores, indicando os procedimentos relativos à manutenção de sigilo acerca de informações relevantes não divulgadas, locais onde estarão disponíveis tais informações, entre outros aspectos.
São considerados relevantes pelo Administrador qualquer deliberação da assembleia geral de cotistas ou do Administrador ou qualquer outro ato ou fato que possa influir de modo ponderável (I) na cotação das cotas ou de valores mobiliários a elas referenciados, (II) na decisão dos investidores de comprar, vender ou manter as cotas, e (III) na decisão dos investidores de exercer quaisquer direitos inerentes à condição de titular cotas ou de valores mobiliários a elas referenciados, tais como, exemplificativamente, mas não limitados a: I – atraso para o recebimento de quaisquer rendimentos que representem percentual significativo dentre as receitas do fundo; II – venda ou locação dos imóveis de propriedade do fundo destinados a arrendamento ou locação, e que possam gerar impacto significativo em sua rentabilidade; III – fusão, incorporação, cisão, transformação do fundo ou qualquer outra operação que altere substancialmente a sua composição patrimonial; IV – emissão de cotas nos termos do inciso VIII do artigo 15 da Instrução CVM 472. Tais informações são divulgadas à CVM, à BM&FBovespa, e também através do site do Administrador, no endereço https://www.cshg.com.br/site/publico/imob/imob.seam Adicionalmente, o Administrador adota segregação física da sua área de administração de fundos imobiliários em relação às áreas responsáveis por outras atividades e linhas de negócio. Neste sentido, o acesso a sistemas e arquivos, inclusive em relação à guarda de documentos de caráter confidencial, é restrito à equipe dedicada pela administração de tais fundos, sendo possível o compartilhamento de informações às equipes jurídicas e de compliance que atendam tal área de negócio. Adicionalmente, o Administrador tem como política interna a exigência de termos de confidencialidade com todos os seus funcionários, no momento de sua contratação.
15.2 Descrever a política de negociação de cotas do fundo, se houver, ou disponibilizar o link correspondente da página do administrador na rede mundial de computadores.
Fundo listado em bolsa de valores (BM&FBovespa), onde suas cotas são admitidas à negociação no mercado secundário. As informações e documentos públicos do fundo estão disponíveis no endereço: https://www.cshg.com.br/site/publico/imob/imob.seam
15.3 Descrever a política de exercício do direito de voto em participações societárias do fundo, ou disponibilizar o link correspondente da página do administrador na rede mundial de computadores.
https://www.cshg.com.br/site/publico/download/arquivos/Politica_Exercicio_Voto_Assembleias_Fundos_CSHG.pdf
15.4 Relacionar os funcionários responsáveis pela implantação, manutenção, avaliação e fiscalização da política de divulgação de informações, se for o caso.
Não possui informação apresentada.
16.Regras e prazos para chamada de capital do fundo:
Fundo não possui chamada de capital. Novas emissões de cotas podem ser realizadas mediante aprovação da assembleia geral de cotistas.

Anexos
5.Riscos

Nota

1.A relação de prestadores de serviços de que trata o item 1.8 deve ser indicada quando o referido prestador de serviços representar mais de 5% das despesas do FII